Categoria

Diário de Noiva

16
ago
2017

Diário de noiva: ajustando o orçamento!

As pessoas costumam dizer que pra mim é mais “fácil” organizar um casamento por ter o blog e viver por dentro do assunto há um tempo. Acontece que MUITA coisa eu só aprendi (e venho aprendendo) depois que fiquei noiva, quando comecei a viver de fato esse universo. E uma das coisas que mais me assustou muito foi o quanto pode custar, de fato, uma festa de casamento!

Vamos lá, eu tinha um pouquinho de noção, mas nunca tinha colocado tudo na ponta do lápis, sabem? Tim-tim por tim-tim. E foi quando fizemos isso que senti na pele que sonhar é de graça, mas colocar tudo aquilo que salvamos nas pastinhas de inspirações na prática pode custar muito caro. 

Eu brinco que tive uma depressão-pós-orçamentos, hahaha. Bate desespero, você pensa em desistir, afinal: são pouquíssimas horas pra curtir. Não seria melhor viajar pras Maldivas ou Taiti?

Claro, cada um sabe de si. Mas sabem o que conclui? Eu só quero casar uma vez na vida! E eu sonhei tanto com isso. Nenhuma viagem, a qualquer lugar do mundo, ou qualquer outra forma de “investimento” valeria tanto quanto reunir as pessoas que eu mais amo pra celebrar o amor comigo!

Então vamos celebrar do nosso jeito e principalmente, dentro da nossa condição. A ordem foi estabelecer prioridades e adequar o sonho ao que realmente importa: a realidade. Vamos ter sim um final feliz, mas com os dois pés no chão.

E por ai? Houve algum susto após os orçamentos? Depois, conversando com alguns amigos que estão vivendo essa fase eu percebi que isso é muito mais normal que eu imaginava. Então calma, você não está sozinha. Bate aqui! 

Beijos,

Beca.

Deixe seu comentário!

9
maio
2017

Diário de noiva: Os primeiros passos

Hoje começo a dividir com vocês os detalhes da organização para a minha festa de casamento! Já escrevi sobre o pedido de casamento, o jantar de noivado e a escolha das alianças aqui no meu diário de noiva.

Apesar de existir um passo a passo para nortear o começo dos preparativos cada história é única e cada caso é um caso. Com a gente tudo aconteceu tudo tão naturalmente que acabamos não seguindo o “protocolo”, mas usamos a teoria aliada à nossa realidade.

  • A DATA:

Tudo começou quando ganhamos (do-nada) de presente da prima de Felipe dois chaveiros feitos por ela, à mão. Eram duas casinhas amarelas, diferentes, que de alguma forma se completavam. No bilhete tinha escrito: “o chaveiro eu fiz, a casa Deus vai providenciar.”

Guardei o chaveiro para a chave que, sem dúvidas, chegaria!

Tempos depois, em uma sexta-feira super comum, saímos para almoçar e no caminho recebemos um panfleto com alguns empreendimentos e o telefone de uma corretora. Da mesa do restaurante Felipe ligou pra o número disponível, perguntou se havia algum apartamento dentro daquilo que queríamos e agendou uma visita ao decorado no domingo!

Chamamos um casal de amigos (que já estavam noivos na época e estavam na saga do apartamento também) e fomos juntos como combinado com a corretora. Amamos o apartamento, conversamos com nossos pais, pensamos, viabilizamos, nos organizamos e compramos! Ele era mesmo do jeitinho que a gente tinha pensado – pequeno, mas bem distribuído e bem lindinho! A data de entrega? Outubro de 2018.

E foi essa data que norteou a data do nosso casamento. O meu noivo cresceu com os avós – que são o nosso xodó da vida – e queria casar no mesmo dia que eles, como uma homenagem. Em 2018, o dia em que eles comemoram 64 anos de casados cai em um domingo e por isso ficaria meio inviável pra gente. Acabamos escolhendo um dia antes (no sábado mesmo) e vamos comemorar juntinho deles.

Ah, lembram da prima de Felipe que nos presentou com o chaveiro? É a arquiteta que fez o projeto da nossa casinha! (Muito obrigada por tudo, Ju!)

  • DEFININDO O ESTILO

Eu pesquiso demais, vocês devem imaginar. Passo horas do dia buscando inspirações para casamentos por causa do blog (e porque amo também) e já tinha em mente mais ou menos como queria o meu.

Também acompanho um blog que eu amo, o Vestida de Noiva, onde é proposta uma brincadeira pra ajudar a definir o estilo do casamento. Não deu outra, chamei o meu noivo e fizemos juntos. O exercício consiste em uma tabelinha com várias palavras diferentes onde devemos escolher apenas três que nos definam ou que tenham a ver com o que sonhamos para a nossa festa de casamento.

O nosso casamento vai ser clássico, encantado e florido e todas as nossas decisões estão sendo baseadas nisso! Quando fico na dúvida entre alguma coisa eu penso: isso é clássico? encantado? florido? Serve como um guia para facilitar a nossa vida. Essas palavras foram escolhidas por nós dois e combinam com a gente!

Logo depois definimos o tamanho da festa com base na lista de convidados. Nossa festa não será grande demais mas não será íntima, escolhemos convidar nossas famílias e amigos – pessoas que amamos e que temos certeza que vão estar felizes por dividirem esse momento conosco!

  • O LOCAL

Sonhávamos com um casamento clássico, mas leve! Por isso a decisão de fazer a cerimônia à tarde e ao ar livre mas em um local onde a parte da festa pudesse comportar algo mais elaborado! Existia o lugar dos meus sonhos, que quando visitamos virou o de Felipe e da minha mãe também. Todo mundo se apaixonou e não nos imaginávamos mais casando em outro lugar! A nossa data estava disponível, suportava a quantidade de convidados que havíamos definido e foi o nosso primeiro contrato fechado.

Foto: Maíra Erlich

Coudelaria Souza Leão | Foto: Maíra Erlich

Estamos bem felizes com nossas escolhas, curtindo muito cada fase dos preparativos e contando os segundos pra o dia chegar! Enquanto isso, vou compartilhando com vocês vários detalhes da minha experiência como noiva.

Beijos,

Beca.

Deixe seu comentário!

10
fev
2017

Diário de noiva | As alianças

Felipe me pediu em casamento com um anel de noivado! Já conversávamos muito sobre esse assunto e já tinha meio que passado o recado de que preferia escolher as nossas alianças junto com ele. Não é que eu não confie no bom gosto do meu noivo, não me entendam mal, mas é que como pretendo usar a aliança por um booom tempo, queria poder escolher, ver qual ficava melhor no meu dedo e tudo mais. E fazer isso antes do pedido oficial perderia a graça, né?

20161219_003237

Muita gente acaba me perguntando qual é o “certo” nesse ponto: pedir em casamento com aliança e anel solitário (que é usado só pela noiva), só com as alianças ou só com o anel e esse é o tipo de coisa que não existe “certo” ou “errado”. No Brasil, tradicionalmente usamos alianças no noivado e casamento e por isso a maioria das pessoas escolhe fazer o pedido já com as alianças mesmo, até por uma questão prática e financeira. A ideia do anel de noivado ainda não é muito forte por aqui. Nos Estados Unidos, por exemplo, o comum é usar o anel de noivado e é com ele que é feito o pedido de casamento!

No nosso caso, escolhemos comprar as alianças juntos e fizemos a troca no nosso jantar de noivado! Desde então uso o anel na mão esquerda e a aliança (igual a de Felipe) na mão direita. Algumas pessoas preferem usar só o anel de noivado até o dia do casamento e essa é uma opção. Eu, particularmente, só não gosto muito quando a mulher usa o anel de noivado e o homem uma aliança sozinho… acho que perde o sentido! Mas como disse antes, como a maioria das coisas que envolvem o casamento, a gente deve fazer como se sente melhor! Não existe “regra”, a regra é fazer o que se adeque melhor a sua realidade e o que faz mais sentido pra você!

Chegamos de viagem no último dia de 2016 e como havíamos marcado o nosso jantar de noivado pra o começo de janeiro tivemos que correr pra escolher as alianças. Eu pesquisei alguns modelos antes e já tínhamos em mente como queríamos, mais “quadradinha”, sabem? Fomos direto em um ourives mas senti uma dificuldade muito grande em visualizar a aliança na minha mão. Não tinha nenhuma do meu tamanho e nem de Felipe no modelo que queríamos, ele acabou não gostando muito do atendimento então acabamos desistindo dessa ideia e começando a busca pelas alianças prontas nas lojas mesmo!

Foi uma saaaaga, porque acabamos gostando mais da “tradicional”, aboloadinha no nosso dedo, mas achando mais bonito outro modelo de quadradinha. Dá pra entender? Nunca pensei que fosse tão difícil escolher. Acabamos optamos pela segunda opção, com a aliança de Felipe sendo lisa e a minha com uma fileirinha de brilhantes! Ainda não me acostumei 100% e passo alguns segundos admirando minha mão (quem nunca?) mas ficamos muito felizes com elas.

16652495_1375887775818528_284592089_n

Alianças: Vivara | Fotos: Studio Super Click

Deixe seu comentário!